Ambientalista quer transformar herança de
família em bem público


Sandra Daniela de Miranda Lima em recente entrevista no programa do radialista Osny Martins

Se no início do mês de agosto os joinvilenses ficaram indignados com a comprovada denúncia de crime ambiental contra o rio Cachoeira praticada pela centenária indústria Cia Fabril Lepper, o fim do mesmo mês é para oposição de sentimento. A bióloga e sócia do Instituto Viva o Cachoeira (IVC), Sandra Daniela de Miranda Lima, 33 anos, publicou no seu blog http://www.conscienciacomcienciaa.blogspot.com/ o desejo de ver uma área de terra que herda da família e ainda tem remanescentes de Mata Atlântica transformada num Parque de Educação Ambiental.
Mestre em Ciência e Tecnologia Ambiental com especialização em Gestão Ambiental voltada para a Educação Ambiental (EA), a bióloga é professora de Ciências Naturais e desenvolve projetos de EA nas escolas municipais Dr. Sadalla Amim Ghanem e Prefeito Baltasar Buschle. “Dani”, como é mais conhecida a professora, mora a quatro anos no bairro Petrópolis. Para ela, a pequena floresta é um “Oásis” no bairro Itaum: “Mesmo sendo a área preservada e bem recuperada, acho um grande desperdício parada daquela forma e servindo de abrigo para criminosos, gente caçando passarinho etc”, diz, inconformada, essa joinvilense nascida no bairro Itaum.
A desprendida professora já recebera o consentimento de toda a família e procurava uma entidade ambientalista a quem pudesse oferecer o terreno, mas tinha medo dos “aproveitadores”. No início do ano foi apresentada pela amiga Jurucê Klein ao IVC. “Encontrei a entidade com as pessoas de confiança que eu procurava”, afirma. Agora, o IVC se organiza para ajudá-la a transformar a área no sonhado Parque de EA que ela “impõe” apenas uma condição: “Gostaria de homenagear a minha mãe chamando-o de Oásis Miranda, pois este local pertencia à família dela, os Mirandas, e ela certamente seria a freqüentadora mais assídua do parque se estivesse viva”.

Além da divulgação pública dessa decisão pela internet, Daniela Lima fez a proposta em recente Assembleia do IVC deixando todos surpresos e felizes com a iniciativa. “Eu acho que as pessoas não devem passar pela vida em branco; acredito que todos desejam fazer algo grandioso, que faça valer a pena. Transformar o Oásis em realidade seria o maior feito de toda a minha vida, por poder contribuir com melhor qualidade de vida para um grande número de pessoas e ter a certeza de que não passei por este mundo em vão”. Aí está uma atitude de uma professora que alguns empresários poderiam seguir como exemplo.